Ajuda Branco

O Ajuda Branco surpreende: um vinho definido como gama de entrada, mas com um corpo ligeiramente untuoso, conciliado com uma frescura e acidez que nem sempre se encontra nos vinhos brancos alentejanos.

O Ajuda não podia estar mais equilibrado: 50% da casta Arinto (possivelmente das castas brancas, que estão espalhadas pelo país, mais úteis pela sua polivalência e adaptabilidade) que dá ao vinho corpo, elegância e mineralidade, e restantes 50% divididos entre Sauvignon Blanc e Sémillon, que definem a frescura e acidez do vinho. Pode dividir uma garrafa à conversa com amigos, com um queijinho de Azeitão (ou outro queijo de pasta semi mole, com um toque picante e untuoso), cogumelos salteados, gambas “à guilho” ou ameijoas à Bolhão Pato, por exemplo. Ou pode servir com uma boa posta grelhada de Salmão ou Robalo do mar.

Ajuda Tinto

O Ajuda Tinto é um vinho jovem mas com corpo e persistência.

Resultado da relativa proximidade da herdade à costa atlântica (em linha recta, seriam pouco mais de 20km até ao Oceano) os vinhos da herdade da ajuda, e o Ajuda Tinto não é excepção, têm uma influência marítima marcada no seu terroir. Syrah, Cabernet Sauvignon, Aragonês, Alicante Bouschet e Trincadeira compõem este blend elegante e equilibrado, conferindo-lhe ainda um caracter muito gastronómico: é um vinho versátil para as suas refeições simples diárias, mas também acompanha uma carne assada no forno de Domingo.

Ajuda Rosé

Há muito tempo que o vinho rosé deixou de ser visto como “nem carne, nem peixe”, e passou a ser um vinho por direito próprio. O rosé da Herdade da Ajuda apenas veio contribuir para essa afirmação.

Um vinho de perfil fino e elegante, sério e gastronómico. Ideal para o acompanhar num verão cheio de sol, praia e amigos. Para o acompanhar em refeições, como aperitivo ou como sobremesa.

Ajuda Verdelho

O verdelho é uma variedade de uvas brancas já cultivada em todo o Portugal, mas é na Ilha da Madeira que tem maior expressão.

Regra geral, os vinhos produzidos com Verdelho são bastante aromáticos e equilibrados. Este vinho da Herdade da Ajuda não foge à regra, o seu aroma mineral e de frutos tropicais não engana e o seu bom volume de boca e final de prova prolongado deixa saudades.

Para culminar a experiência que é, degustar este vinho, pode sempre acompanhá-lo com uma bela sardinhada com amigos num final de tarde de verão. Caso seja apreciador de comidas mais condimentadas, este é o vinho certo para lhe refrescar o palato desses temperos mais fortes e exóticos.

Ajuda Syrah

De todas as castas estrangeiras que temos em Portugal, esta foi, sem dúvida, a que mais prosperou no clima rigoroso alentejano. Ajustou-se facilmente aos típicos verões alentejanos e aos seus solos quentes e pobres.

A casta Syrah dá origem a vinhos quentes, de grande entrega, de cores e aromas exuberantes e de corpos robustos e alcoólicos. Este é o caso deste vinho da Herdade da Ajuda, 100% Syrah, macio e convidativo e com um elevado potencial de guarda.

Apesar de completamente seco, este Syrah deixa-nos com uma leve sensação de doçura que permite harmonizar este vinho na perfeição com queijos fortes, a sobremesa ideal para os verdadeiros amantes da combinação entre vinhos e queijos.

Ajuda Reserva Branco

Da junção de duas castas muito comuns no Alentejo, nasce um reserva alentejano que de comum não tem nada.

A sua fermentação e estágio em barrica durante 5 meses, atribuiu-lhe complexidade aromática e untuosidade, sem mascarar a sua personalidade. Os seus aromas remetem para frutos de polpa amarela como a ameixa e a alperce.

Pode apreciar ao máximo estes aromas e sabores alentejanos juntamente com pratos asiáticos onde os temperos arrojados e especiados são reis. Ou com uma bela tábua de queijos, onde a untuosidade deste vinho vai encaixar na perfeição.

Ajuda Reserva Tinto

Da junção de duas castas de origem francesa – Petit Verdot e Alicante Bouschet, nasce uma raridade alentejana.

De cor quase negra, volume e estrutura, graças à presença do Alicante Bouschet e de aroma marcante de fruta madura com toques florais, graças à presença do Petit Verdot. Este vinho surpreende com a sua frescura, graças à localização das vinhas que lhe dão origem. O seu estágio em madeira acrescentou outra dimensão a um vinho já extraordinário, tornando-o sedutor, complexo e enigmático.

O vinho ideal para acompanhar os melhores pratos de gastronomia tradicional alentejana, onde o tempero é rei ou para acompanhar pratos com carnes de caça, onde a complexidade de especiarias manda.

Ajuda Premium

Retinto e profundo na cor, este vinho mostra-nos o que o Alentejo tem de melhor para oferecer.

As melhores uvas foram delicadamente colhidas e selecionadas para dar origem a um vinho premium, onde os aromas com frutas negras se sobrepõem à notas tostadas, que tiveram origem no seu estágio em madeira. Com taninos “mastigáveis” e de álcool generoso, este vinho culmina num fim de boca longo e picante.

Um vinho ousado com oeste pede saberes igualmente intensos. Por esta razão, acompanhe este vinho com pratos marcantes como vitela ou cordeiro grelhado. Caso queira combinar com queijos deve investir em um grana padano, pecorino ou um gouda defumado. Vai igualmente bem com o umami dos cogumelos Portobello, Shitake ou Trufas Negras.

Vale do Chafariz Branco

O Vale do Chafariz Branco é um vinho que tem na sua origem duas castas, Moscatel e Ugni Blanc, que produzem vinhos bastante frutados e frescos.

Um vinho simples e refrescante para todos os dias, onde predominam os aromas varietais das uvas que lhe dão origem. Podemos encontrar notas de frutos tropicais e de polpa branca, que juntamente com a sua acidez e estrutura de boca, tornam este vinho irresistível.

Experimente degustar este vinho como aperitivo, acompanhado de pratos leves como grelhados de peixe ou carne ou simplesmente numa esplanada com amigos.